12 em Sevilha

Sevilla

Sevilla

Sevilla

Sevilla

Sevilla

Sevilla

Ali tão perto esperava-nos Sevilha, sempre majestosa, orgulhosa, mais que pronta a mostrar o seu melhor, dia após dia. A sua beleza cénica leva-me a perdoar-lhe o calor abrasador e as ciganas que me roubam as mãos e a sina, verdadeiras profissionais de clarividência e de turismo, que sem elas a cidade não era a mesma.
Lá celebrámos o 12º aniversário do M., aquele que veio para nos ensinar a ser pais, que tudo o que mais quer é ver a família unida e feliz. Dói-me ver que a criança que foi já não volta, que a sua voz doce já não chama por mim da mesma maneira, que a vida já não é a mesma para ele. Todos os dias agradeço o facto de o ter perto de mim, de ainda querer a minha mão quando menos espero e até mesmo as zangas e as pazes. O meu amor por ele é antigo e assim será para sempre, eternamente. Vê-lo crescer, passo a passo, um em frente, outro atrás, respeitar-lhe o medo e a vontade, a força e a fragilidade, olhos nos olhos por agora que depressa me olhará do alto e eu cá em baixo, a mãe, a mãe de alguém tão grande que eu espero não ter moldado muito, que o que mais quero é vê-lo livre e feliz. Esquece tudo o que te digo e sê tu próprio, que as minhas palavras estão guardadas para quando delas precisares. Amo-te muito mais que mil milhões.

6 comentários em “12 em Sevilha”

Deixe um comentário