achados

Janeiro 1969

Bolinha

Julho 1969

Luíza

Gasparzinho

Nem sabia que me lembrava deles mas a memória não falha. Devem ter passado pelas minhas mãos quando ainda nem sabia ler. Fazem parte de um tempo que já não volta mas que continua cá dentro – não os podia deixar ficar na banca da feira de velharias.

3 comentários em “achados”

  1. Há quem me chame louca por ter a mania de guardar tudo. Tenho um espólio de recordações da minha infância e da dos meus filhos encaixotado aguardando a saída do euromilhões que me proporcione um espaço onde estas recordações pudessem ver a luz do dia. Entre muitas coisas ( legos, playmobil, Anitas, bonecos/as várias etc)tenho uma colecção de almanaques da Diney que há muitos anos fizeram as minhas delícias, é bem possível que o Bolinha e a Mónica tb lá estejam.

    Responder
  2. Ana, eu para além de guardar o que tenho, trago da rua o que encontro. Eu gosto e faz-me feliz . O espaço é um problema, também sonho com uma casa maior 🙂 Se sou coleccionadora e essa é a minha natureza de que vale ir contra ela?
    Se um dia acharmos que já é demais podemos sempre doar a um museu! 😀

    Responder

Deixe um comentário