inspiração : inspiration

rendida

Uns momentos de silêncio, que o sublime passou por todos nós este fim de semana.
O Salvador Sobral é daqueles seres especiais, veículos pelos quais a arte se faz expressar. 
Ele diz que não é espiritual mas eu não vejo outra coisa senão espírito quando canta. 
Que não nos faça passar por um desgosto de amor, que o queremos por muito tempo nas nossas vidas. 

quando o sonho é uma extensão do que somos

a dream come true

a dream come true

a dream come true

a dream come true

Imaginem dez anos. Agora imaginem quantos dias terão dez anos. 
Nesta última década, que passou num ápice, raros foram os dias em que não passei pelo blogue da Amanda. Deixei-me apaixonar, daqui de longe, acompanhando-a e muitas vezes procurando nela o alento e o conforto que me faltavam, sabendo que ela, se vivêssemos perto, seria uma amiga para a vida.
Quantas vezes imaginara uma tarde passada com ela, à conversa, depois de um dia de árduo trabalho na quinta. Era um sonho que eu alimentava (e que me alimentava a mim) mas que, aqui entre nós, nunca imaginei ser possível acontecer.
Pois bem. Esse sonho acordou. De um dia para o outro eu estava na estação de Cascais à espera da Amanda e da Stacy, sem flores e sem banda como a ocasião merecia, mas com o coração nas mãos, como se um verdadeiro amor viesse naquele comboio.
Fomos ao mercado, conversámos, almoçámos, visitámos a The Craft Company, passeámos, rimos muito, tentámos pôr dez anos em dia de uma só vez, provámos os gelados umas das outras e prometemos rever-nos do outro lado do Oceano, em breve.

O meu muitíssimo obrigada à Marta e à Sacha pelo apoio e companhia neste dia tão importante para mim!

E aqui estou. Ainda sem acreditar que tudo isto aconteceu de verdade. 

a vida, por aqui

being part of the craft company team

teaching how to make a simple dress

Amanda Soule in Lisbon

Segunda-feira. 
Pausa.
Sinto que passou um tornado por mim nas últimas semanas. Sei que fiz muito, corri de um lado para o outro, estive em todo o lado, esforcei-me ao máximo – e no entanto, só me lembro de duas ou três coisas.
Sei que tive a filha doente por mais de vinte dias em casa. Felizmente já está bem mas ficou em mim aquele alarme sempre pronto a disparar que a maioria das mães tão bem conhece.
Sei que por mim têm passado centenas de metros de tecido que nos vão fazendo chegar para transformarmos em vestidos para as meninas em África. Sei por isso que o mundo está cheio de boas pessoas e que é fácil fazermos algo em conjunto por um mundo melhor. Que dá trabalho, muito trabalho, mas que é possível. E que é muito gratificante. 
Sei que dei a primeira aula de costura em toda a minha vida e que correu bem! Ajudei a Cláudia e a Inês a fazer um vestido para o Dress a Girl  e que bom que foi vê-las tomar esse poder em mãos, o de saber fazer uma peça de roupa. 
Sei que o Amo-te Mil Milhões chamou por mim muitas vezes e que não lhe pude dar atenção, com muita pena minha. 
Sei que entrei para a equipa da The Craft Company, onde eu já me sentia em casa, e que lá estou aos fins de semana a tentar conhecer melhor todo aquele mundo de fios, tecidos, agulhas e tanto mais.
Sei que alcancei um dos meus maiores sonhos dos últimos dez anos, que julgava tão difícil de alcançar – conhecer a Amanda Soule e dar-lhe um grande abraço por tudo de bom que me tem dado ao longo desta década! Senti-me como uma criança a olhar para o seu ídolo, consciente do ridículo que é idolatrar alguém, mas felicíssima por a vida me ter dado aquela alegria! 
Graças à Rosa, que recebeu a Amanda na Retrosaria, à Sacha, que ficou na The Craft Company a segurar as pontas sem mim e à Marta que me fez companhia pude viver um momento que jamais esquecerei e que guardarei comigo para me lembrar de que nada, nada é impossível. De que se nos mantivermos no caminho que acreditamos ser o nosso, que tudo é possível. De que o esforço tem sempre a sua recompensa.
Olhando para trás, nestas últimas semanas, sinto que algo passou por mim a correr – talvez um alinhamento nos planetas, um antepassado a olhar por mim, um ciclo a fechar-se e outro a começar – quem sabe? E eu estive lá, presente, a correr mas a saborear o momento, grata por todos os seres humanos que estão, neste momento da minha vida, a meu lado. 
Hoje é segunda-feira, dia de pausa. E eu, sem pausa, não quero ser. É na pausa que me encontro. E que vivo tudo outra vez, mas devagar.
Uma boa semana a todas!

wwkpd 2016 em Cascais

wwkpd 2016

wwkpd 2016

wwkpd 2016

wwkpd 2016

No passado sábado foi dia mundial de tricotar em público e a minha terra participou! Dezenas de pessoas apareceram para tricotar na rua, em frente à The Craft Company. As tricotadeiras de Oeiras, as Tricomania em Cascais, o Knitted by Macho Men e tantos outros apareceram de agulhas na mão! Foi uma festa, um exemplo de como podemos mudar tanto no mundo, de como a vida pode ser simples e descomplicada quando quebramos barreiras e fazemos aquilo de que gostamos. 
Ali, sentada à porta da loja, acompanhada por pessoas com um interesse em comum, mais que isso, com um amor comum, percebi o quanto a cidade foi retirando ao cidadão enquanto este se foi fechando em si e na sua correria diária. Porque é que já não nos sentamos à porta de casa ao fim do dia com os vizinhos? Será pelo mesmo motivo que os nossos filhos já não sabem o que é estar na rua com os amigos, mesmo sem nada para fazer? 
O que tenho aprendido é que basta dar o primeiro passo. No meu caso, descobri que Cascais tem gente muito interessante. E isso faz-me tão mais feliz que começo a tratá-la como sendo a minha terra!

inspiração: séries e podcasts

Se, por um lado, a programação televisiva a que tenho acesso desperta em mim pouco ou nenhum interesse, por outro, tenho todo um novo mundo a descobrir através da internet. Tenho andado à procura de podcasts para assistir enquanto trabalho (e cozinho) e estes dois são, até agora, aqueles que me fazem esperar por novos episódios.

Kammebornia, o reino de um casal sueco que vive uma vida simples, rural, com cinco filhos, um gato e algumas galinhas e com muito tricot para mostrar (é possível obter legendas em inglês). A Queen of Kammerbornia tem também um blogue que, embora em sueco, vale a pena seguir (a tradução para inglês deve ser encarada com algum sentido de humor e paciência).

Bakery Bears, é um podcast de um casal inglês muito engraçado, onde se tricota (ambos), cozinha, passeia pela Inglaterra rural, etc.

Edwardian Farm, uma série documental que passou na BBC há uns anos, onde se tenta reviver a vida rural da era Eduardiana. Maravilhosa, tal como a Coal House que me prendeu à cadeira em 2013 que, infelizmente, parece já não estar disponível online. Parece-me que a BBC bloqueou alguns episódios por isso é correr ao youtube e aproveitar os episódios que ainda lá estão.

E são estas as séries que me fazem companhia, de momento. E vocês?

The Craft Company

The Craft Company

The Craft Company

The Craft Company

The Craft Company  abriu há pouco mais de um ano e com ela Cascais tornou-se uma vila bem mais interessante. Ali tenho encontrado uma casa amiga que para além de muito bonita, é uma casa onde se ensina, onde se aprende, onde se partilha. Já lá fiz meias, um princípio de xaile e agora estou a tentar perder o medo de costurar para mim. As lãs, os livros, os tecidos, tudo escolhido com gosto e de perder a cabeça. E o mais importante, as pessoas: genuínas, simpáticas por natureza, disponíveis, que gostam do que fazem. Porque para mim, no fim, tudo se resume a quem nos atende e nos encaminha. 

o homem que plantava árvores

Esta semana dei por mim a comprar uma mão cheia de livros. Tinha prometido a mim mesma que não compraria (nem sequer traria emprestado) mais livros antes de ler todos os que tenho. Pois. Mas a verdade é que os gostos mudam connosco, e ainda bem, e a vida é curta demais para nos impormos tantas regras, ainda que certíssimas. 
Noto que deixei de ter paciência para muita coisa – são os 40 a bater à porta – e no que toca a livros, também. Gosto de contos, que me cativem logo, que me levem em pouco tempo para um lugar só nosso, tão directos quanto profundos, inspiradores. Se me conquistarem, leio-os de uma ponta à outra, chego ao fim e volto ao início.  Foi o que aconteceu com ” o Homem que Plantava Árvores”. Comprei-o para o M., que lia muito até lhe chegar um telemóvel com acesso à internet às mãos – dilema dos nossos dias, creio não estar sozinha nisto – na esperança de, por ser um livro que se lê facilmente de uma só vez, ele não o pôr de lado, à espera. Eu já o tinha lido duas vezes, e ele, leu-o logo naquela noite. Não teve o mesmo impacto nele que teve em mim, claro, mas gostou e sei que um dia é capaz de o voltar a ler. 
Eu gostei muito. É uma história delicada, profunda, inspiradora. Curiosamente, tive que me certificar várias vezes de que o autor era francês e não japonês. Senti-me num velho conto oriental, como aqueles que lia em criança.
Encontrei este vídeo e achei que poderiam gostar. Bom fim de semana, com muitos livros por perto!

inspiração

quando a alma não é pequena

quando a alma não é pequena

quando a alma não é pequena

quando a alma não é pequena

A minha mãe é uma guerreira. Desde que me conheço que a vejo desbravar caminhos que a maioria dos mortais considera demasiado arriscados. Eu, muitas vezes, sou a primeira a tentar chamá-la à razão, a mostrar-lhe um caminho mais fácil, menos penoso. Mas o caminho mais fácil muitas vezes não sabe a nada. Não se aprende nada, nada em nós se transforma, nada em nós cresce. 
Vivemos numa época obcecada por inspiração. Pergunto-me muitas vezes de onde terá surgido essa necessidade tão grande de nos mantermos naquele ponto alto em que pensamos tudo conseguir, tudo mudar, tudo ser – e nada alterar, nada acrescentar, nada fazer. Satisfazemo-nos com o sentir. Alimentamo-nos de imagens que acordam algo adormecido em nós, fazemos uma festa por o termos despertado e permanecemos sentados, à procura de mais uma fonte de inspiração. Eu própria gosto de viver nesse ponto estimulante de descoberta e euforia. Mas até quando conseguiremos alimentar o cérebro assim? E o resto? 
A maior herança que a minha mãe me pode deixar é esta: acreditar no sonho e torná-lo realidade. Tornar o impossível possível. Agir. Ousar. Tentar. Dar. Fazer. Nada temer.
E mesmo que o caminho pareça não nos levar a lado nenhum, olhando para trás, vemos um caminho cheio de pequenos milagres. Um caminho feito por um verdadeiro Ser Humano.
Se forem a Trás-os-Montes e o encontrarem azul não estranhem. É que a minha mãe não sabe estar quieta.
Scroll to Top