da camisa do irmão

Reciclar roupa é das minhas coisas preferidas de fazer. Porque não gosto de deitar fora algo que ainda tem muito para dar, porque gosto de puxar pelas ideias, porque adoro transformar. Porque, verdade seja dita, a sociedade em que vivemos é obcecada por deitar fora e eu, mais uma vez, discordo. Sabe bem e é … Ler mais

do irmão para a irmã

Nem todos os colarinhos podem ser transformados desta maneira – nada que uma fita de viés não resolva. Tão simples quanto isso. Assim ficou o casaco que esperava por uma nova oportunidade, guardado há uma década (!) com a certeza de um dia vir a servir a uma segunda criança. Eu digo não ao desperdício. Quem disse … Ler mais

gola Mao

Esta é capaz de ser a minha camisa preferida. Tem 20 anos de uso (!) e continua como nova. Foi comprada na H&M, ainda esta não tinha chegado a Portugal, numa época em que nem esta nem outras marcas eram sinónimo de má qualidade. Apesar de gostar de camisas de corte masculino, os colarinhos e … Ler mais

nódoas difíceis

Caras nódoas, deixem-me que vos diga o quanto admiro a vossa tenacidade. Tomara muita gente agarrar-se assim à vida. Gosto especialmente quando são mais fortes que eu, mais espertas que eu, mais persistentes que eu. São vocês, as quase caso perdido, que puxam pela minha criatividade e a deixam correr livremente, sem medo de estragar … Ler mais

wip II

Mais alguém à minha espera. Foi uma pequena brincadeira de quem, no meio de tanto para fazer, teve que pôr em prática uma velha ideia. Usei uma caixa de fósforos, uns papeis bonitos, um pedaço de renda, uma meia de lã feltrada com o uso, um botão antigo e umas linhas de bordar. Fui enrolando, … Ler mais

retirar nódoas

Nem sempre a nódoa cai no melhor pano. Por vezes cai numa simples t-shirt. Muitas vezes à primeira vez que é usada. O M. não estava muito interessado em desenhar. Nem sempre está. Por isso usei o truque de sempre: fui eu desenhar. E não há nada melhor para inspirar alguém a fazer seja o … Ler mais