costurar : sewing

da camisa do irmão

reciclar

reciclar

reciclar

Reciclar roupa é das minhas coisas preferidas de fazer. Porque não gosto de deitar fora algo que ainda tem muito para dar, porque gosto de puxar pelas ideias, porque adoro transformar. Porque, verdade seja dita, a sociedade em que vivemos é obcecada por deitar fora e eu, mais uma vez, discordo. Sabe bem e é necessário mas muitas vezes o deitar fora é um acto mecânico de quem deixou de saber fazer e se habituou a chamar lixo às coisas. A mim custa-me deitar fora um frasco de vidro, quanto mais uma camisa em bom estado.
Olhando para ela aqui assim, acho que é capaz de ter ficado com ar de bata. Mas que importa? Que se encha de terra, tinta e plasticina, que é tudo o que uma mãe pode desejar à sua filha de quatro anos, artista de alma e coração. 
-” Os artistas podem sujar-se, mãe!” 
-” Podem e devem, filha.”

Monster High, por senhorita Alecrim

Monster High,
por senhorita Alecrim

(Não é desenho animado que passe cá por casa nem é nome que se consiga dizer em língua estrangeira aos quatro anos de idade mas a sua persistência foi tal que acabei por descobrir quem era afinal a musa de que tanto falava. Ela gosta é de monstros, de bruxas e de lobos maus. )

I make (some of) her clothes

I make her clothes
I make her clothes

I make her clothes

I make her clothes

I make her clothes

I make her clothes

Estamos a meio da Fashion Revolution Week e eu aproveito para mostrar algumas peças de roupa que fiz nas últimas semanas para a senhorita Alecrim. São todas adaptações do modelo Nina, da Modkid by Patty Young, que tenho usado muito desde que ela nasceu. O modelo é muito simples e versátil, ideal para quem quer dar os primeiros passos na costura.
A blusa lilás, na terceira e quarta fotografia, era na verdade um vestido meu guardado há mais de uma década! O tecido estava como novo e serviu perfeitamente para adaptar a este molde. 
Vê-la assim, vestida com algo feito num ambiente limpo, seguro, com tempo e respeito faz de mim uma mãe mais satisfeita. E agora, que venha o sol.

comigo

comigo
Vivo ao contrário. Transformo-me lentamente numa espécie de eremita da cidade. 
Cada vez com menos, o que não tenho, não gasto. O que sei fazer, faço. 
Quanto mais dou, mais leve me sinto e percebo que a vida, pelo menos a minha, é para ser vivida com frugalidade. 

para ele

para ele

para ele

Os tecidos escolhidos por ele esperavam por mim há meses. Foi necessário um “eu gosto das coisas que tu fazes, mãe” para eu saltar para a máquina de costura e num serão lhe fazer os prometidos calções de pijama. 
Por não encontrar um molde de calções para rapaz para o seu tamanho decidi fazê-lo a olho, isto é, traçando o molde com a ajuda de um par de calças já existentes. 
E ele gostou – muito. E eu gosto de o ver tão confortável com eles. E gosto de saber fazer.
E gosto dele – muito.
E vocês? Conhecem moldes para rapaz / homem que recomendem? 

do irmão para a irmã

do irmão para a irmã

do irmão para a irmã

do irmão para a irmã

Nem todos os colarinhos podem ser transformados desta maneira – nada que uma fita de viés não resolva. Tão simples quanto isso.
Assim ficou o casaco que esperava por uma nova oportunidade, guardado há uma década (!) com a certeza de um dia vir a servir a uma segunda criança.
Eu digo não ao desperdício. Quem disse que roupa guardada não volta a ser usada?

gola Mao

reciclar camisas

reciclar camisas

reciclar camisas

reciclar camisas

Esta é capaz de ser a minha camisa preferida. Tem 20 anos de uso (!) e continua como nova. Foi comprada na H&M, ainda esta não tinha chegado a Portugal, numa época em que nem esta nem outras marcas eram sinónimo de má qualidade.
Apesar de gostar de camisas de corte masculino, os colarinhos e eu deixaram de se entender. Acho-os desnecessários, pesam-me. 
Hoje peguei nela e em 10 minutos, mais coisa menos coisa, tinha uma gola Mao. O resultado é uma camisa muito mais bonita e, acima de tudo, que assenta melhor a minha personalidade, que é isso que procuro no meu guarda-roupa. 
aqui tinha feito o mesmo, e curiosamente, fi-lo por volta desta altura do ano, aquela em que a Primavera começa a querer acordar-me de um longo Inverno.
Há algo de espiritual numa gola Mao. 

work in progress

wip

Tenho uma missão em mãos que me ocupará grande parte dos dias (isto é, noites) nas próximas semanas. Se andar um pouco afastada daqui, não estranhem. Volto já.
Scroll to Top