brincar : play

casa de cartão

casa

casa

O expositor estava lá à nossa espera, apenas com o pacote de que precisávamos, completamente disponível para quem lhe conseguisse ver as promessas de uma vida futura. Eu não podia virar as costas e continuar o meu dia deixando-o ali. Era enorme mas coube no carro, os colaboradores estavam ocupados mas colaboraram, pela loja formou-se um rastro de açúcar mas ninguém se importou em ter que varrer – tudo porque era para fazer uma casa de brincar.

na minha cozinha

na minha cozinha

na minha cozinha

na minha cozinha

Desta vez não deixei para outro dia. O filho mais velho ainda a estudar, a filha mais nova a cair de sono, o marido fora, a carne quase a queimar. Decidi que não me posso evitar o tempo todo – o pimento gritava por mim.

vitaminas

vitaminas

vitaminas

vitaminas

vitaminas

Jurei a mim mesma que quando acabasse a manta tirava uns dias de descanso. É o que tenho tentado fazer. Com um sangue como o meu é fácil cair em exaustão e por mais que tente, há dias em que sinto que o corpo não consegue dar mais. Hoje não me senti a tremer, não caí no sofá rendida, não desesperei ao fim do dia. Foi um dia bom, um dia em que brinquei, em que tomei chá de bonecas e não me preocupei com (quase) nada. E depois comecei a tirar fotografias à nossa brincadeira e percebi que isso já não era brincar. Parei e fomos dançar.

Wilma

Wilma

Wilma

Tenho a honra de ter herdado da minha avó a capacidade de ver caras por todo o lado. E de levar essa capacidade a sério também. Agora vejo por duas e rio por duas. E tiro fotografias para mais tarde lhe mostrar.
Aqui está a Wilma Flinstone. 

limões

o limoeiro

o limão

Há por aqui tantos limões – grandes, amarelos e sumarentos. De tão maduros, vão caindo ao chão e nós agradecemos. Este piscou-me o olho e deu-me o seu maior sorriso – eu só podia retribuir.
Scroll to Top